Sunday, March 25, 2007

AINDA OS 50 ANOS!

Os quadros da hipocrisia

Contrariamente ao que acontece normalmente, hoje segui, quase cem por cento, “As esolhas de Marcelo”: mais porque me pareceu a alternativa menos má ao mundo de superficialidades que a essa hora se instala nas nossas televisões, do que por me interessarem as escolhas do Professor. Já lá vai o tempo...
O pior é que, no fim, o pouco ou quase nada que disse sobre as referências do Papa ao aniversário da Europa, me deixaram a margura de perceber, mais uma vez, como os políticos e os intelectuais que têm acesso à grande comunicação social não entenderam e teimam em não entender a questão da referência às raizes cristãs, pela qual se bateu o Papa João Paulo II.
O Professor Marcelo, por exemplo, pelo brevíssimo comentário que fez, parece que não vê nesta questão senão um roblema de respeito pelas religiões que estão na Europa: dá-lhe assim uma vertente pluralista.
Claro. Tirando os que o fizeram por má fé, muitos se opuseram a que se mencionassem as raízes cristãs da Europa, por pensarem que se estava a privilegiar uma religião frente a outras.
Ora, além de que não é disso que se trata, como definir a identidade da Europa ignorando por compelto os valores universais que estiveram na base da sua construção?
E sem essa identidade, onde irá parar o projecto dos seis que, a 25 de Mrço de 1957, se reuiram em Roma e assinaram um tratado, que, segundo eles, devia fazer do velho continente um conjunto de pátrias, todas diferentes, mas unidas por um conjunto de valores que lhes dariam capacidade suficiente para criar um espaço economicamente viável e humanamente exemplar?
Falar das raizes cristãs da Europa não tem nada a ver com o pluralismo religioso ou a falta dele: a não ser na mediada em que, de facto, se a Europa chegou primeiro que os outros ao respeito por esse pluralismo o deve às suas raízes cristãs.
É por isso que me apetece terminar com mais este texto de João Paulo II:

Europa do terceiro milénio, não deixes cair os teus braços; não cedas ao desânimo, não te resignes a formas de pensar e de viver que não têm futuro, porque não assentam na sólida certeza da Palavra de Deus.
Europa, que estás no início do terceiro milénio, volta a encontrar-te. Sê tu mesma. Descobre as tuas origens. Reaviva as tuas raízes
(João Paulo II).

1 Comments:

Anonymous Allene said...

Good post.

7:56 AM  

Post a Comment

<< Home