Wednesday, November 02, 2005

COMO DESTRUIR UM POVO




Desde sempre, os grandes impérios procuraram manter-se dando à unidade política, geralmente construída pela força das armas, unidade cultural; o que implicava necessariamente a morte de outras culturas, no que adquiria especial vantagem, nem sempre a do povo vencedor, mas aquela que se tornava mais acessível, pela riqueza dos seus elementos e a funcionalidade dos instrumentos de comunicação, entre os quais desempenham um papel decisivo a língua e a religião.
A língua e a religião.
Foi por isso que, a quando da da reforma litúrgica preconizada pelo último concílio ecuménico, nos países com várias línguas, mas com uma língua oficial comum, apesar das recomendações no sentido de se conservar esta como a língua oficial das celebração dos sacramentos, incluindo a Eucaristia, todos os grupos linguísticos, mesmo os pouco numerosos, se apressaram, com o aplauso dos linguistas, crentes ou não, a traduzir na própria língua os livros litúrgicos.
Pertence também a esta recuperação e fixação instintiva da própria identidade a nem sempre criteriosa introdução, nas celebrações da fé, de certos elementos culturais que ajudam a identificar o crente como membro de um determinado povo.
Abrindo um pouco a janela ao pessimismo, diríamos que, na Europa actual, situados numa mentalidade pós-cristã – conceito de certo modo paralelo ao de pós- moderno, mas muito mais negativo -, perdemos a sensibilidade relativa aos valores integrados pela inculturação da mensagem cristã, operada, com avanços e recuos, incluindo algumas tensões de efeitos dolorosos, ao longo do primeiro milénio.
Será isso que nos reduz a capacidade de perceber as autênticas raízes do chamado fundamentalismo islâmico e sobretudo da violência que se apoia nele?
Seja como for, é essa perda de sensibilidade que abre de par em par as portas à degradação da língua, instrumento indispensável na defesa da identidade cultural, à manipulação consumística das efemérides mais sagradas, à invasão de costumes que nada têm a ver com as nossas tradições culturais.
De que estou eu a falar?
Toda a gente sabe. Mas podemos, noutra ocasião, discutir alguns casos concretos.

4 Comments:

Anonymous Anonymous said...

When is the last time you made money online?

I WENT FROM NOTHING TO MILLIONAIRE IN LESS THAN ONE YEAR!

When you follow my steps, I can guarantee you will be rich in 2006! my site guarantees anyone to be rich in 2006. So start making some serious money online!.

Every link on my post will bring you to the best paying options online. Saves you searching for them! I now earn $98,000.00 monthly with them. Clcik on the links, register with the program and earn!

It is described into detail for you. You now own your own homebased business!! WOW! And, concidering you can take your new homebased business to the highest level in an instant, you will figure out that you can earn $ 1000,00 per day!. That is some serious cash. Thousands of people are making online cash with my working formula

So, have a good look today and see why my secret formula will earn you some great money.

It is SO simple with taking surveys as well.
So come on and have your own surveys to start making that fortune!



Regards,

professional Money makers online.

2:50 PM  
Anonymous Migo said...

"manipulação consumística das efemérides mais sagradas, à invasão de costumes que nada têm a ver com as nossas tradições culturais."

Os tipos das publicidades vêm dar algum fundamento ao que acabou de dizer.

(Claro que continuo a gostar do meu halloween) :-)

5:47 PM  
Blogger Augusto Ascenso Pascoal said...

E NINGUÉM QUER QUE DEIXES DE GOSTAR. O GOSTO DE CADA UM, SEJA DO QUE FOR, NÃO TEM NADA A VER COM A COLONIZAÇÃO CULTURAL.A NÃO SER COMO CONSEQÊNCIA.
ABRAÇO
AP

3:40 PM  
Blogger Scott A. Edwards said...

New Blog Submission Software Takes Total Domination To A whole New Level, And Allows Complete Control Over Any Market and Any Product You Sell.--Renders All Other Marketing Methods Totally Useless by Comparison"
Click here: FREE DEMO

5:30 PM  

Post a Comment

<< Home