Monday, July 10, 2006

MUNDIAL 2006


O fim da utopia?

Ninguém esperava o contrário: na final do Campeonato Mundial de Futebol, os Portugueses tinham necessariamente de torcer pela Itália.
Agravos antigos e o facto de ter sido a França a impedir Portugal de ir mais além, juntavam - se a uma simpatia quase instintiva por aqueles que, tão meridionais como nós, como nós sofrem da sobranceria dos que estão um pouco mais a norte, neste velho continente.
Apesar de tudo, penso que sofri tanto como qualquer francês, quando vi sair do campo, por expulsão directa, esse gigante do futebol, que tem o nome quase mítico de Zidane e foi quem marcou o golo que levou à eliminação de Portugal.
Tive pena. Muita pena mesmo; e fui dizendo comigo: logo no último jogo do campeonato. Não sabemos o que se passou entre ele e adversário agredido. Mas todos vimos a agressão, e ninguém duvida da justeza do cartão vermelho. Por isso ficámos ainda com mais pena.
E estávamos ainda a digerir esta pena, talvez um pouco diluída na alegria de ver a Itália vitoriosa, quando se anuncia que os jornalistas escolheram como jogador do Campeonato - pasme-se! - este Zidane, que precisamente no último jogo, comete uma das faltas mais graves que se podem cometer em futebol.
Eu já sabia que a ética andava muito mal tratada nos ambientes jornalísticos.
Mas sempre esperei maior sentido de responsabilidade por parte daqueles que pretendem ter também uma função pedagógica:
Será que, neste Mundial de 2006, não tenha havido jogadores mais exemplares?
Ou têm razão os pessimistas que recusam ao futebol actual a classificação de escola de virtudes?
Perante isto, onde vai já a utopia do desporto como fonte de paz e união entre os povos?

4 Comments:

Anonymous Anonymous said...

sim...mal vai a sociedade que distingue o profissional do ser humano..mens sana in corpore sano...é antigo,mas continua a valer como regra...
Maria

12:22 PM  
Blogger P.A. said...

Sinceramente nunca o imaginei a escrever sobre futebol... E fico contente por isso e, sobretudo, por provar à saciedade que o futebol não é assunto apenas para os círculos mais superficiais.
Quanto à opinião expressa. Não podia estar mais de acordo, sobretudo quando o lema deste mundial foi "fazer amigos"!!!!

2:45 AM  
Blogger Augusto Ascenso Pascoal said...

Já agora, meu caro P. A., fico muito contente por teres descoberto que eu gostava realmente de futebol. Ainda te falta descobrir muita coisa a meu rsepeito. Vê lá se te apressas, porque... Pois gosto, e só quando não posso é que não vejo os jogos das fases finais, quer do Mundial quer do Europeu: porque, de um modo geral, vê-se como o fuetbol é uma arte. Falar sobre ele não sei, mas podes crer que gosto dele; e às vezes tenho pena de verificar que, afinal, os que antigamente falavam contra a profissioanlização, tinham razão. Sim, porque eu ainda sou do tempo em que se jogava, de facto, por amor à camisola. Mas era muito sensível aos argumentos dos que defendiam a profissionalização. Hoje dou-me conta de que as coisas não correram tão bem como eles esperavam. Estou, porém, em crer que a culpa não é de futebol.
Um abraço
AP

10:39 AM  
Anonymous Abílio said...

Estou de passagem, e rápida. Deixo um atalho para um artigo que me parece ser lido... e comentado! Tem a ver com o Zidane e não só! E como li há pouco "O Estrangeiro" do Camus...aqui fica a deixa!

http://dn.sapo.pt/2006/07/12/opiniao/zidane_e_scolari_parte_2.html

Abraço

8:42 AM  

Post a Comment

<< Home