Thursday, January 10, 2008

O SORRISO DE DEUS




Dedico esta página do meu diário aos rebentos mis tenros do "bando" Aveiro-Marques-Ramos, que deu um colorido especail à minha segunda semana de Roma:
Beijinhos para a Laura, a Matilde e a Maria. As outras ficam para depois.

Decididamente, não posso dizer que me tenham corrido mal as coisas ao longo destas semanas - vou já na quarta e terei mais uma -, passadas no centro histórico de Roma, procurando conjugar o alarme permanente das mazelas da idade, com a força dos sonhos, que, quer se queira quer não, assim como são compatíveis com o peso dos anos, também surgem das ruinas e dos materiais que trazem consigo a memória das gerações que por eles passaram.
Surpresas agradáveis, no meio de tanta coisa que já esperávamos fosse assim – umas boas, outras más, como em todas as circunstâncias da vida – e os percalços que não esperamos mas que dão sabor à monotonia dos dias.
Vinha a pensar nisto, hoje, ao fim da manhã, quando procurava esquecer o incómodo dos solavancos do autocarro – condutores especialmente nervosos encontram-se em todas as latitudes – com o chilreio das crianças que vinham certamente desde o capolinea, ali, à beira da Piazza Venezia: idade do Ensino Básico, caras geralmente irradiando luz de aurora, ocupavam todos os lugares sentados, de um modo geral, elas mais para diante, eles mais nos bancos detrás, e divertiam-se com tudo o que lhes passava diante dos olhos.
Eu divertia-me com o seu divertimento.
Tanto, que quase me esquecia que chegara o momento de sair.
Reentrei no corre-corre da rua, das passadeiras de peões onde se corre um risco termendo de ser atropelado, no prosaico arrumar das coisas para que seja menos complicado retomar o trabalho... mas, sem ter feito nada para isso, senti-me com nova força para viver: aquelas crianças divertidas fizeram-me pensar mais uma vez no sorriso de Deus sobre um mundo que Lhe foge, mas que Ele não desiste de amar.

8 Comments:

Blogger alx said...

Quando se corre, a vida ganha um outro sentido. E cores. Quanto a isso não há dúvidas.

Bom tranbalho e, sobretudo, boa respiração para a alma!!!!

3:29 PM  
Anonymous Guida said...

E quanto a crianças divertidas...as nossas meninas..são bem divertidas ..e bem-comportadas..mas também marotinhas "onze limões meio limão!!"...e esta hein?

3:48 AM  
Blogger Augusto Ascenso Pascoal said...

Em primeiro lugar, um abraço para o primeiro comentador: pois, meu caro alx, cá ando a correr... com dificuldades para chegar à meta e maiores ainda para desistir.
Talvez não consiga entrever a tempo a hora de parar. Deus, no entanto, não deixa de me mostrar o Seu sorriso, que é sempre de misericórdia.
Outro abraço.

E agora para a mãe e tia dos tais rebentos:
Foi a pensar no jogo e naquela - olhar maroto - dos "onze limões...- que ilustrei o meu post com aquele ganso decidido, a caminho dos escuteiros... também muito divertidos.
Beijinhos.

1:10 PM  
Blogger alx said...

Entre abraços, lembrei-me de lhe solicitar um "trabalhito". Uns dias antes do Natal, um grupo de amigos jantou e partilhou entre si poemas (como prenda) que cada um fez para o efeito... O resultado está a ser publicado "devagarinho" num blogue novo, a saber: www.cenaculum.blogspot.com !

Se quiser passar por lá, num intervalo intelectual, e comentar, não tanto a qualidade literária das "obras, a definição que uma geração que vai dos 17 aos 35 anos faz de Deus, (cada um na sua maneira muito própria de ser, acredite)...

Abraço e bom trabalho

1:31 PM  
Blogger alx said...

Desde já, obrigado pela sua presença no cenáculo.

9:33 AM  
Blogger Augusto Ascenso Pascoal said...

Só para te dizer que a minha presença no cenáculo, iniciada a partir da tua informação (obrigado), procurará ser o mais discreta possível, sincera nos desabafos (poucos comentários), mas no estilo que me parece adequado ao ar poético do ambiente.
E, já agora, verás que não resisti a reler o teu poema, por sinal muito bem construído (mas tu não queres comentários estéticos), e acabei por roubá-lo para a minha colecção.
Com muita amizade, ainda que também ela uma tela inacabada... mas não interrompida.
AP

2:25 PM  
Blogger P.A. said...

This comment has been removed by the author.

2:17 AM  
Blogger P.A. said...

Caro AP: Tomo a liberdade para escrever umas linhas à margem deste texto com o simples objectivo de as fazer chegar a si. Nem imagina quanto essas palavras são, para mim, um alento. E vindas de quem aprendi, para lá das lides académicas, a apreciar e a respeitar, elas têm um valor que, de certeza, não mereço. Não sou poeta, admito francamente, naquele sentido de que um poeta é-o amiudadas vezes, no exercício da pena e da escrita. Mas tenho o grato privilégio de poder ter aprendido com gente sábia o valor das coisas belas e menos belas e esforçar o seu rabisco em palavras escritas. Obrigado.

2:18 AM  

Post a Comment

<< Home